COVID-19

df1fc631593395809c4d46102f1045a8_M.jpg

'Chegando ao limite', diz subsecretária de Vigilância em Saúde de Nova Friburgo, RJ, sobre Covid-19 na cidade


Cidade soma mais de 12 mil casos de contaminação pelo novo coronavírus, com 376 mortes. Município está no nível mais alto de restrições. Ocupação de leitos de UTI em hospital público da cidade chegou a 100%.

"Toda a região está colapsada". Essa é a afirmação da subsecretária de Vigilância em Saúde de Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio, Fabíola Braz Penna. A afirmação vem na semana em que a cidade entrou na bandeira roxa, que é o nível mais alto de restrições nesse período de combate ao novo coronavírus. A cidade tem 12.400 casos de Covid-19, com 376 mortes causadas pela doença.

 

De acordo com o último boletim da Covid-19, divulgado nesta segunda-feira (5), o município está com 98% dos leitos de UTI ocupados. No Hospital Municipal Raul Sertã, não há mais vagas para os pacientes mais graves com a doença. Fabíola diz que o cenário vivido atualmente é muito pior que o de março de 2020, quando a Organização Mundial da Saúde declarou pandemia.

 

"Depois de pouco mais de um ano de enfrentamento da pandemia a gente vem vivendo, hoje, o pior cenário. Tivemos momentos delicados, mas não igual a esse, com todos os indicadores ruins, como a positividade, as taxas de ocupação de leitos clínicos e UTI Covid, e a letalidade. Toda a região depende de Nova Friburgo. Podemos dizer, principalmente sobre os leitos de UTI, que são utilizados pelos pacientes mais graves e como o município é polo, e se não temos leitos disponíveis, toda a região está colapsada", afirmou.

 

Ocupação nos leitos de UTI


Um dos indicadores que mais preocupam a administração pública é a ocupação de leitos de UTI. Nova Friburgo chegou a receber pacientes mais graves de outras cidades, mas essa não é a realidade atual. Na rede pública, todos os leitos da Unidade de Terapia Intensiva, atualmente, são ocupados por friburguenses.

 

"Hoje, os leitos estão com internações de pessoas que moram em Nova Friburgo. A gente recebe pacientes quando há leitos. Mas, hoje, as vagas estão ocupadas por friburguenses. O município de Nova Friburgo é polo para a região, tanto na rede pública como na rede privada. Os nossos leitos públicos são regulados pelo SUS, e é natural que recebamos pacientes de fora, por sermos um município com capacidade hospitalar maior" comentou Fabíola, que acrescentou que a liberação de vagas tem acontecido da pior forma.

 

Fonte: G1