COVID-19

1.png

Nova variante tem grande chance de causar outra onda de Covid-19 no Brasil

 

O alívio já estava no rosto, sem máscara, dos ingleses. Com grande parte da população vacinada e com queda marcante do número de internações e mortes provocadas pela Covid-19, o país iniciou o plano de retomada das atividades sociais e flexibilização de restrições para conter a transmissão. No jogo final da Eurocopa, o estádio de Wembley estava lotado, bem como as ruas de Londres.

 

Mas veio a surpresa em abril: a identificação da variante delta na Inglaterra, após ter sido identificada na Índia. Com ela, ou por causa dela, ocorreu novo aumento significativo de casos, que poderá alcançar o pico histórico, observado no início de janeiro. Entretanto, lá o crescimento atual não está sendo acompanhado pelo aumento de mortes, muito provavelmente pelo efeito da vacinação em massa que precedeu a chegada dessa variante.

 

Na Indonésia, a situação é diferente. A variante delta já domina a transmissão e, com apenas 6% da população com vacinação completa, o país está sofrendo com a sua pior fase da pandemia até então. É hoje considerado o principal foco mundial de transmissão e acumula elevação, sem precedentes no país, de mortes pela doença.

 

A variante delta causa inúmeros problemas onde chega. Embora não provoque doença mais grave, tem sido mais facilmente disseminada, resultando em aumento rápido de casos de Covid-19.

 

A cobertura vacinal é, nesses casos, fundamental. É preciso considerarmos que a variante delta é parcialmente resistente à proteção das vacinas pois, comparativamente à variante alfa, por exemplo, a diminuição das formas graves da doença é mais dependente de esquema completo de vacinação. Ou seja, para a maioria das vacinas, uma dose só não basta para uma boa proteção.


Fonte: Folha